No total de: visitantes! se permitindo.
1 of 417 +
45673
reblog
(@)
“O vento está usando o teu perfume.”
Luara Quaresma (via enoitecer)
Source:lluaraq
26
reblog
(@)

E se eu explodir

a-flor-azul:

diga que vem me visitar pra juntar os pedaços…

Fresno.

Source:desentumecer
16333
reblog
(@)
Source:sexshort
21339
reblog
(@)
“Sinceramente eu te desejo um amor.
Que dure.
Que cure.
Que alegre.
Que seja.
Também te desejo um casamento bonito.
Que compense.
Que valha.
Que marque.
Que seja.
Também te desejo uma família estável.
Que cresça.
Que some.
Que esteja.
Que seja.
E por último também te desejo uma boa memória.
E que ela te lembre todos os dias que comigo poderia ter sido melhor.
E seria.”
Sean Wilhelm.    (via coisas-texto)
5218
reblog
(@)
“Eu nunca gostei de concordar contigo, sobretudo quando acho que você está errado. Mas eu também sou teimoso, eu também ando pagando para ver os resultados do meus erros. E as vezes alguém tem de ser mais racional que eu, alguém tem que dizer chega, alguém tem que medir a proporção do quanto podemos ser magoados. Continuo não achando certo essa sua mania estranha de ir embora, mas alguma hora alguém iria. Também não deve ter sido fácil para você, embora você escondesse seu coração você tem um, enorme. Até acho que morei nele por uns dias. E eu achava o máximo a sensação de ter um cantinho ali. Eu não sei mesmo quando, como e se te magoei, mas tentei demais tapar alguma das suas feridas, mesmo que o remédio você abrir algumas em mim. De uma hora para a outra as coisas mudaram, mas não posso negar que houve companheirismo entre nós. Sua maneira rude de reagir e querer se afastar foi um reflexo protetor, de você não se magoar por não ter quem pretendia ter e de me proteger de ter conviver com a certeza que meus sentimentos não estavam pareados com o seu. Caiu uma chuva danada lá fora, pelo vidro embaçado da porta olhei para o céu sentindo um frio imenso e temendo que você também estivesse sentindo esse frio, mas que talvez não fosse em mim que você estava pensando. Mas enfim, eu não pude segurar minhas dores e as suas e você quis por fim nelas eu não posso te culpar, realmente certas escolhas devem ser tomadas mesmo que doa, queime e massacre. Tenho mais do que nunca certeza de que certos sentimentos são sacrificados em nome de outras, sacrificou-se o companheirismo pela saudade e eu vou sempre sacrificar meu orgulho para ter de você as melhores lembranças possíveis. Se não valeu a pena ir até o fim, de alguma coisa valerá guardar as lembranças que ficou do caminho até onde a gente foi.”
Matheus Oliveira  (via lucaspatek)
Source:reverenciador
8
reblog
(@)
“Que seja, que seja eterno, que seja você, que fique ao meu lado, que fique pra sempre, me mostre que com você é diferente e faça o que nunca fizeram, fique comigo para sempre e o mais importante, me ame pra sempre. Mas se a intenção não é ficar eu entendo, mas não me marque a ponto de o tempo não poder te apagar.”
Yasmin (via prescindida)
599
reblog
(@)
“Eu não tenho muito tempo, não digo literalmente é que você foi comprar sorvete e vai voltar logo! Mas tenho a impressão de que é a última carta porque só resta uma coisa pra dizer, não é para se lembrar sempre de mim ou comprar um abajur, você pode se cuidar sem a minha ajuda, é para dizer como você mexeu comigo, como você me ajudou me amando, você fez de mim um homem, Holly, e por isso eu sou eternamente grato, literalmente. Se pode me prometer alguma coisa, prometa que sempre que se sentir triste ou insegura ou perder completamente a fé vai tentar olhar para si mesma com meus olhos. Obrigado pela honra de ter você como esposa, eu não tenho o que lamentar, tive muita sorte. Você foi a minha vida Holly, mas eu sou apenas um capítulo da sua, haverá mais eu prometo portanto aqui vai o meu grande conselho: não tenha medo de se apaixonar de novo, fique atenta àquele sinal de que não haverá mais nada igual. P.S. Eu sempre vou te amar.”
A última carta. P.S I love you (via lucaspatek)
Source:souveni-r
344
reblog
(@)
“Se eu te disser que eu escondi todo o meu pudor por debaixo daquele lençol feito com os retalhos da sua inocência, o que poderá ser feito? Agora estou aberto ao mundo e não tenho mais medo do que dirão de mim. Eu tinha medo, não conseguia nem mesmo proferir simples palavras em meio a um público mínimo que fosse, porque eu era estúpido. Mas, agora eu me refiz e me moldei do jeito que todos queriam, do jeito que eu devia ter me moldado desde o nascimento: forte, claro e grande. Eu não me importo e não tenho medo dos olhos alheios que me comem, das palavras que me atingem como flechas fumegantes até o meu coração, não me importo com as bocas e os ouvidos e as mãos que me tocam cada vez que eu passo, me espancando como em um corredor da morte, porque eu não sinto nada. A única coisa que consigo fazer é rir, mas rir de uma maneira exagerada e que extrapola todos os limites da razão, porque eu não consigo ser gente normal, não consigo me fazer de comportado, sendo que eu nasci em meio à balbúrdia. Meu âmago há muito morto e moribundo renasceu e cresceu ao ouvir o som de minha alegria, e foi vomitado de minha boca como alimento podre e amargo, me deixando mais vivo do que nunca, porque se não tenho alma, logo não tenho espírito de porco que me leva ao mais profundo abismo do esquecimento, e sem espírito também não tenho aquele pudor que me deixou, não tenho amor, não tenho sentimentos que me deixam na mais profunda penúria de antigamente. Só tenho alegrias e um sorriso estampado no rosto vinte e quatro horas por dia. Se me disserem que morri, eu digo que estou mais vivo que nunca e se quiserem que eu me enterre no cemitério do esquecimento eu me jogo nos braços do prazer carnal, corro nu, com minha genitália ao vento e ao relento, balançando como um pêndulo, com o vento fazendo cócegas em minha bunda grande, mas sempre me dizendo que estou vivo enquanto grito que se quiserem que eu morra terão que primeiro tirar minha felicidade e engarrafar meu pudor para que eu o engula e finalmente vire gente novamente.”
Filipe Ramalheiro, Anarquismos. (via lucaspatek)
Source:anarquismos
0
reblog
(@)
“Essa noite tá marcada pra gente se encontrar, ai que loucura. Eu já deixei a luz do quarto apagada pra gente se amar a luz da lua. Não vejo a hora do ponteiro do relógio marcar 22:00 horas. Já não aguento mais esse desejo incontrolável, quero logo amor, não demora…”
4098
reblog
(@)
Ele te deixa, e a única coisa que sobra dele com você é a esperança de um dia o telefone tocar e ser ele. Então você fica ali, esperando, agarrada no telefone como se fosse a coisa mais importante do mundo - e no momento é. Olha que surpresa, o telefone toca. Você a principio atende como uma desesperada, e se decepciona em seguida por saber que é sua vizinha te pedindo um pouco de açúcar emprestado. Você tenta ser educada o máximo possível, mas quer desligar logo para que a linha não esteja ocupada caso ele ligar. Depois de uns 40 minutos, o telefone toca outra vez. Você tá longe, mas para conseguir atendê-lo no segundo toque, sai correndo atropelando tudo pela frente. Consegue, mas infelizmente não é ele, é a sua mãe perguntando se você já comeu. Que mãe liga para a filha só para perguntar se já comeu? A sua liga, mas você não ta com tempo para responder todas aquelas perguntas bestas que todas as mães sempre fazem, e só diz que tá ocupada e precisa desligar. E desliga. Demorou 2 dias para o telefone tocar outra vez, é sua operadora, e você desliga. No outro dia, toca, toca, toca, e você ta no banho, tenta sair do banho o mais rápido possível para chegar até o telefone, mas quando vai atender, para de tocar. Ai toca mais uma vez, e infelizmente é a sua amiga só pra contar sobre o fulano lá que ela tá a fim, e você demonstra interesse sem estar nenhum pouco interessada. 3 horas depois ela desliga. Você já ta perdendo a paciência, e quer mais que o telefone se exploda. Literalmente. No dia seguinte, ele só tocou uma vez, e caiu. No outro dia, você já não se importa tanto com o telefone quanto antes, e ele já não é mais sua prioridade. Se tocar, tocou. Se você atender, atendeu. Não fazia mais diferença, porque suas esperanças haviam sido assassinadas por você mesma, porque no fundo, você estava cansada de tudo. Passado 30 dias depois do acontecido, seu telefone toca, e olha que merda, era ele. Você fala alô, ele fala alô. Você reconhece a voz, e seu corpo petrifica. Silêncio absoluto que dura uns 10 minutos mais ou menos, até ele quebrar e perguntar “Como você está?”, e você só responde “Bem”, curta e grossa, sem ter que prologar a conversa e nem nada, só “Bem”. Ele solta em seguida “Sinto a sua falta”. Filho da puta! Você passa 30 dias esperando a pessoa te ligar, só para dizer “Sinto a sua falta”? É isso mesmo? Esperou tanto por nada? Sofreu tanto por nada nada? Se desesperou tanto por nada? Então você começa a se sentir minuscula, incapaz, ridiculamente idiota perto de toda a situação. Quer chorar, mas não chora. Quer xingar, mas não xinga. Quer enlouquecer, mas não enlouquece – quero dizer, não mais do que já enlouqueceu esse tempo todo. E só fica parada, ouvindo a respiração de ambos por mais 5 e longos minutos, até dizer com muito esforço “Tarde demais.” Tu… tu… tu… Foram os “tu’s” mais eternos da sua vida. E logo pensa, “Esperar cansa.””
Thiara Macedo (sdpm)